sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

As quatro danças

Dança 1

Eu, que mal dançava sozinha,
Aprendia que a espera
Taria outros braços.
Foram dois - e seus pares.
O primeiro mentiu,
Inspirou-se,
Foi-se.
O segundo a ouviu,
Inspirou-se,
Foi-se.
Reflexos platônicos,
Mentiras azuis que sugaram
As histórias que precisavam
Para a criação de novos passos.
Depois do livro pronto,
Derrubaram-me do palco.

Dança 2

Em outro ritmo,
Ela perdeu o ato,
Ele perdeu o átrio,
Quando viu seu ânimo.

Entre vergonhas,
Entre planos,
Nenhuma fronha
Escondia os danos.

Ele gritou e culpou,
Eu decidi esperar,
Flor sem pétalas - grito
Já não mais quero dançar.

Dança 3

Novos passos - e muitos
Suor na medida - e quentes
Passos claros - e noite escura
Muito quentes, escura noite...

O par dorme - e some
Não tem hora - e ruma
Chega o carro - e parte
Some, ruma e a parte.

Dança 4

Pareciam em sintonia...
Dançavam sob olhares,
Sobre o cheiro da comida
Que era um alimentar da alma.

O outro não mais (a)parecia...
Dançava em outro estado,
Pós apocalipse no peito,
Já almejava outra canção.

Eu queria retornar...
O cheiro dele era paz,
Eu era guerra, era quebra,
Era a verdade que ninguém queria.

41 comentários:

  1. Dança um, dança dois,
    dança três e dança quatro
    quando terminou a dança depois
    foram descansar para o quarto!

    Terá sido assim ou não,
    estou tentando adivinhar
    por vontade do coração
    que não de deve contrariar!

    Tenha uma boa noite amiga Nadine, um abraço,
    Eduardo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Edu!

      Hahahaha, adorei seus versos!
      Muito obrigada!

      Beijos! =)

      Excluir
    2. É muito legal, a dança!...
      É um embalar ritmado
      Ou prelúdio, de outro lado
      Lá do lado de criança

      Quando o berço se embalança
      Ninando o sono velado
      Da criança. A esse passado
      Às vezes o baile nos lança.

      Vamos sonhar e dançar
      No berço ou noutro lugar
      Que talvez seja na cama

      Conjugando o verbo amar
      Na dança mais singular
      Para o coração que ama.

      Belos versos, os seus! Parabéns! Grade abraço. Laerte.

      Excluir
    3. Oi, Larte!

      Belos versos os teus!
      Sempre um prazer!
      Muito obrigada!

      Beijos! =)

      Excluir
  2. Nadine
    Você não existe
    Ri do começo ao fim da poesia. Deu até fome e vai mais um pedaço de queijo pra dentro.kkk
    Criatividade nasceu com você ou veio com a cegonha?
    Adorei

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Dorli!

      Haha, que querida!

      Muito obrigada!
      Beijos! =)

      Excluir
  3. Uma dança meticulosa entre versos e passos alados! beijos

    ResponderExcluir
  4. Uau! Que maravilha de dança Nadine.
    Você é uma estrela brilhando amor menina.
    Acho que além de profunda cada postagem tua, cotém charme e esse charme e delicadeza que o corção te impulsiona revela tua essência.
    Sabe? Todos nós temos estas "danças" com a vida...
    E muitas vezes o tom da melodia nos machucam.
    Mas a vida é tão bonita que nos aproxíma destas "danças", para que possamos em cada passada aprender a remover o conflito, a angústia,ou a maneira exata de lidar com tudo isso sem doer tanto.
    Desculpa o sumiço, mas depois conto tudinho rsrsr
    Só posso dizer que é coisa grande e bonita.
    Feliz Natal e um Ano Novo cheio de saúde e da sua presença mais tempo conosco.
    Beijinho linda.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Fê!

      Nossa, que lindo! Precisamos sim aprender, ou reaprender com as "danças"...
      Você trouxe brilho, sempre traz!

      Fico feliz em saber que teremos boas novidades! Você merece demais!

      Beijo grande! =)

      Excluir
    2. Moça escreves tão lindamente,
      não some! Voa como as borboletas
      e traga o polem para nos encantar.

      Um beijo Nadine

      Excluir
  5. A dança é o embalar das Almas. Uns, sentem-se Espirituais; outros, não!

    Que tenhas um Feliz Natal.


    Beijo
    SOL

    ResponderExcluir
  6. Fico feliz que tenhas voltado com tanta poesia! :) um beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Luiza!

      Fico feliz que não tenha me esquecido!
      Muito obrigada!

      Beijos! =)

      Excluir
  7. Viver é um denso e sem senso dançar no silêncio.
    GK

    ResponderExcluir
  8. OI NADINE

    eu adoro o jeito que você brinca com as palavras. É uma própria dança de sutilezas e rimas.
    VOCÊ AR-RA-SA.

    BEIJO
    www.beinghellz.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Hellzinha!

      Nhá, você é demais!
      Muito generosa!

      Obrigada, sempre!
      Beijos! =)

      Excluir
  9. Maravilhosas danças poéticas.
    Nadine desejo-lhe um Feliz Natal e um Ano Novo repleto de saúde, alegria, paz e amor.
    Beijinhos
    Maria de
    Divagar Sobre Tudo um Pouco

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Maria!

      Muito obrigada!
      Do fundo do meu coração, desejo-lhe o dobro!

      Beijos! =)

      Excluir
  10. Gostei muito destas danças poéticas.
    Parabéns pela excelência das suas palavras.
    Nadine, os meus votos de um FELIZ NATAL e de um PRÓSPERO ANO de 2018 repleto de saúde, amor, paz, alegria e de outras coisas igualmente boas.
    Beijo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Jaime!

      Muito obrigada!
      Tenha um excelente 2018!
      Beijos! =)

      Excluir
  11. A busca, a procura, condição natural de quem exige viver a vida por inteiro. Ilusões e desilusões? Andam de braço dado. Querer mais? Sempre, é assim que se vai aprumando o sentido do ritmo, o compasso dos passos.
    Lindo, Nadine!

    Um Feliz Natal, com danças a preceito!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, AC!
      Lindo, lindo... Diria que escreveste um belo resumo!

      Beijos! =)
      Lindo 2018 a ti!

      Excluir
  12. Pois então, cara Nadine, pintaste o mundo como um salão onde onde o ser executa suas danças. Poema bem criativo.
    Um abração e Feliz Natal.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Dilmar!

      Obrigada por enxergar tantas cores!
      Tenha um excelente ano!

      Beijos! =)

      Excluir
  13. Oi Nadine:
    A dança que te dedico neste momento é:
    Uma boa entrada de ano.
    PAZ E BEM.
    E até janeiro!
    Abçs.

    ResponderExcluir
  14. Nadine, passei para desejar um excelente ano pleno de tudo de bom.
    Beijinhos
    Maria de
    Divagar Sobre Tudo um Pouco

    ResponderExcluir
  15. Sobrevivo em meio a dor da perda do filho amado.
    Estou me dando o direito de viver o luto como preciso.
    Sabiamente, dizia minha mãe, que o luto leva um ano, o
    ano das "primeiras vezes", primeiro aniversário sem ele,
    primeiro Natal sem ele, primeira virada de ano, primeira
    praia... A dor é intensa. Intensa é a saudade...
    Perdão pela ausência. Volto aos poucos. Ainda não sei fazer
    poesia que não fale na saudade. Mas elas virão. Eu tenho certeza.
    E aqui estarei compartilhando contigo.
    Muito obrigada pelo teu carinho.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Louraini,
      Acompanho tuas postagens... Doem, sem perder a beleza!
      Espero ler-te em breve!

      Beijos! =)

      Excluir
  16. Poeta gigante!!!
    Você abriu um parêntesis ao seu parêntesis em dezembro e só agora o retardado aqui está vendo?
    Uma lindeza, como sempre.
    Saudades desses versos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Carlos,
      Amigo e grande poeta!
      Muito obrigada!

      Beijos! =)

      Excluir
  17. Oi, Nadine!
    Nessa dança da vida precisamos de muito jogo de cintura! (rs*)
    Lendo seus versos, lembrei-me de Nietzsche:

    "E aqueles que foram vistos dançando foram julgados insanos por aqueles que não podiam escutar a música"

    Beijus no coração!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Luma!
      É preciso jogo de cintura e aceitar pisadelas, haha...

      Muito obrigada!
      Beijos! =)

      Excluir
  18. Dia 14 de março.

    Enquanto alguns dizem ser hoje o dia da poesia,
    Eu digo que a poesia não existe inteira,
    Chegando a ser apenas heresia
    Ou frivolidade passageira
    sem Nadine Granad...
    E diante das controvérsias,
    Ainda que os argumentos gritem,
    Ainda que os falsos poetas bradem,
    Ainda que os desejos de fugir tentem,
    Ainda que as dores do amor se exaltem,
    Eu insisto: está na hora de voltar.
    Está na hora de deixar seu silêncio falar,
    Ecoar,
    Cantar.
    E se fazer verbo.
    Volta passarinho...

    ResponderExcluir
  19. A dança dança nos seus versos.
    Parabéns e um grande abraço.
    Obrigado pela visita ao Rimas Truncadas

    ResponderExcluir

... Falta a sua pitada!...