quarta-feira, 4 de abril de 2018

Eu tigre, ele touro

Imagem retirada de: Depositphotos





Nunca uma dor despertou tanta beleza,
Favorecendo ousadias, algum agouro
Que leva poeiras e traz ouro,
E que pertence a minha natureza.

Quem ontem grita, hoje fraqueja
Em peito quente d’um touro,
Que leva certezas e traz choro,
E que mantém a chama acesa.

Por que amor assim tanto me guia?
Ó luz de dias contados e findos!
Ditoso é quem faz do escuro teu dia!

Na madrugada escuta-se algum rugido,
E meus olhos de tigre em covardia
Olham o teto a ler versos restritos.


28 comentários:

  1. É realmente ditoso aquele que ilumina os nossos dias.
    Maravilhoso soneto.
    Beijinhos
    Maria de
    Divagar Sobre Tudo um Pouco

    ResponderExcluir
  2. Sempre poeticamente perifeitos os seus versos.
    Obrigado pela visita ao " RIMAS TRUNCADAS.
    Um grande abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Adilson!
      Gosto muito de tua página!

      Beijos! =)

      Excluir
  3. NADINE,

    sempre este tal do amor em tudo, com tudo, por tudo , afinal se não é por amor não é por nada , se não tem amor a vida fracassa e quem fracassa não teve nunca o esse sentimento que eleva,constrói,formata uma vida feliz e descobre o pote de ouro no fim do arco-iris.
    A ausência deste tal do amor é igual as afiadas garras de um tigre rasgando nosso peito, muito parecida com os sintomas do infarto agudo do miocárdio.
    Aqui tanto faz, até mesmo para um touro no cio ou pra o tigre que destrambelhado.
    Sofremos todos!
    Um abração carioca.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Paulo,
      Uau, lindas reflexões!
      Compartilho da mesma ideia. Sem amor, nada.

      Beijos! =)

      Excluir
  4. Felina é a beleza
    Bordada, assim, a ouro.
    A dor é a natureza
    Tomada, assim, dum touro.

    Beijo
    SOL

    ResponderExcluir
  5. Afortunado é quem tem essa capacidade de transformar a escuridão em luz. Acredito que, com certeza, há uma pitada de amor envolvido nessa capacidade tão genuína, apesar de... Mais uma linda poesia escrita por ti.

    Beijinhos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Aline,
      Sempre há amor, sempre.
      Muito obrigada!

      Beijos! =)

      Excluir
  6. Pois, eu direi que uma dor,
    só pode é causar sofrimento
    não como o perfume duma flor
    que em liberdade voa no vento!

    Tenha uma boa noite amiga Nadine.
    Beijinhos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Edu!
      Sempre me presenteia com versos, muito grata!
      Voemos, sempre!

      Beijos! =)

      Excluir
  7. Minha vontade é de dar um trofeu cada vez que venho aqui, sua maravilhosa <3

    beijo
    www.beinghellz.com.br

    ResponderExcluir
  8. Que coisa linda, poeta!
    Amo esse tipo de construção.

    ResponderExcluir
  9. Lindos, lindos, seus versos.
    Vou segui-la para não perder
    seu blog de vista, mas, por
    favor, me siga de volta.

    Beijos e parabéns.


    .

    ResponderExcluir
  10. Um soneto, uma constatação. Não a que, aparentemente, sugere a autora, honesta no sentir, mas a que, nas entrelinhas, se abraça: estamos em contínua aprendizagem, nada deve ser levado em tons definitivos. E é isso mesmo, mas com a humildade necessária...

    Um beijinho, Nadine :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A.C.
      Sempre uma honra...
      Abraço as entrelinhas, quase sempre ela me abraça também!

      Beijos! =)

      Excluir
  11. versos restritos, mas escritos.
    ver os versos vim, veros versos.
    vim, só, ver; vim ver só: infinitos
    em universos de uma só imersos.

    ResponderExcluir

... Falta a sua pitada!...