quarta-feira, 23 de maio de 2018

Já não há olhos...

(Imagem retirada do site: https://www.fatosdesconhecidos.com.br)



O homem que já não a lia mais,
Alia-se ao cântico esquecido,
Sua voz já não ecoava,
Canções eram sussurros no estrangeiro...
Quanto mais sumia, mas eram apagadas,
E as lembranças que não ocorreram
Seguiam-na em tantas andanças,
Surgiam nas pegadas do hipotálamo...
Ah! Amor ao anil apagou-se,
Derradeiro sentimento assassino,
Ora a matava de fome,
Ora a trazia ao limbo...
Ficaste senil ou foste aquilo que (a) partiu!


20 comentários:

  1. Sabe Nadine, sinto uma absoluta admiração pela sua arte de fazer poemas com a grandeza e amplitude de interpretações que lhe são peculiares! Sempre fui um chorão assumido e ao ler este seu poemas meus olhos lacrimejaram e na garganta senti aquela sensação de fechamento da glote.
    Como em tão poucas linhas você conseguiu narrar a épica história de um amor?
    Um abração carioca.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Paulo,
      Ah, sem palavras... Quando toco alguém assim, sinal de que algo está certo aqui!...
      Muito obrigada!

      Gosto demais de teus textos!
      Beijos! =)

      Excluir
  2. Que bom te ver e trazendo essa bela poesia, com a triste constatação como inspiração! bjs, tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Chica,
      Sempre doce tua presença!
      Muito obrigada!

      Beijos! =)

      Excluir
  3. Interrompida a sua libertação,
    jamais o poderá ser por alguém
    não terá fim a sua imaginação
    ela voa no vento como ninguém?

    Tenha uma boa noite amiga Nadine.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Edu,
      Nunca sei como agradecer esses presentes!
      Teus versos, gratidão!

      Beijos! =)

      Excluir
  4. Você é demais, Nadine! Que versos! Quantos sentidos profundos e gritantes. Sou fã, viu? Já sabe, mas vale reforçar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Carlos,
      Sou tua fã também!
      Muito obrigada!

      Beijos! =)

      Excluir
  5. Oi, Nadine!
    Primeiro poema seu que leio e já virei fã!
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Luiza,
      Muito obrigada pela leitura e delicadeza!

      Beijos! =)

      Excluir
  6. Não raro é de alguém ausente a presença que mais se sente.
    GK

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gugu,
      Raras são pessoas que poetizam muito no pouco, no oco do mundo tem troco bem dado!

      Beijos! =)

      Excluir
  7. Uma poesia bonita mas tem uma tristeza que nos comove.
    Um abraço.
    Élys

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Élys,
      A tristeza também tem cor, não é?

      Beijos! =)

      Excluir
  8. Parabéns pelo seu poema, é apenas excelente!
    A sua inspiração é notável.
    Bom fim de semana, amiga Nadine.
    Beijo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jaime,
      Agradeço muitíssimo as palavras que deixaste!
      Tenha uma linda semana!

      Beijos! =)

      Excluir
  9. O tempo, tem tempo certo
    De fazer acontecer.
    Esquecer ou ser liberto
    Do que tanto faz sofrer,
    É vida até morrer.



    Beijo
    SOL

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. SOL,
      Ah, que delícia de versos!

      Morreremos e viveremos, enfim! No fim... Por fim. Porvir.

      Beijos! =)

      Excluir
  10. A tristeza e nostalgia de uma amor que se apagou.
    Maravilhoso poema
    Beijinhos
    Maria
    Divagar Sobre Tudo um Pouco

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Maria,
      Presença sempre doce!

      Obrigada!
      Beijos! =)

      Excluir

... Falta a sua pitada!...