domingo, 26 de fevereiro de 2017

A canção que não canto

Não sei cantar, mas minha alma insiste...
O ré desafinado é a dó do meu peito,
que pula sem ritmo e destoa em lágrimas...
A brisa nos fios rebeldes lembram o palco,
então a voz amarrada ecoa,
quase uma microfonia...
As letras emergem, microfones,
que talvez precisem de tomadas,
ou serem tomadas em versos...
Canto o que nem sempre meus lábios falam...
Canto alegrias e tristezas que me alimentam...
que fazem de mim quem sou...
Disritmias alavancam minha coragem...
Não é resiliência... são aulas de canto!

8 comentários:

  1. "Canto o que nem sempre meus lábios falam..." Gostei deste poema em que as palavras se querem música...
    Uma boa semana.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Canta quem sabe cantar,
    quem ama sente amor no coração
    a felicidade não deixa derramar
    dos olhos lágrimas para o chão!

    Boa noite, bons sonhos e bom Carnaval, um beijo,
    Eduardo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eba, mais poema!
      Obrigada, Eduardo!

      Beijos =)

      Excluir
  3. Olá!
    Obrigado pela visita em meu blog que por falta de tempo encontra-se desatualizado.
    Parabéns, Você alinha muito bem as palavras com seus belos e sagrados sentimentos.
    Tenha ótimos alumbramentos!
    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Jullio!
      Eu visito blogs que me encantam, não me preocupo com datas ou se a pessoa irá me corresponder ;-)
      Sempre será bem vindo!
      Beijos =)

      Excluir
  4. OOOOOOOI

    sempre trazendo reflexão de forma metafórica né, senhora? eu sempre capto, fico abismada e penso: ma porque eu nao pensei em escrever algo desse tipo? ;O HAHAH
    ou seja: você é admirada por mim!

    beijo
    beinghellz.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahaha, Hellz, você é demais!
      Imagina, eu que a admiro!
      Beijo grande =)

      Excluir

... Falta a sua pitada!...