quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

Da nãomãe e do tãomãe da mãe


A mãe diz que não tem preferência,
Mas não dorme pelo mais frágil...
Ela é A mãe dos filhos e mãe da mãe,
Mas desgosta das outras mães,
Porque mãe que é mãe, é A mãe...

A mãe briga quando o filho adoece,
A gripe é nossa falta de diligência!...
E por mais que sejamos ágeis,
Ela é A mãe que antecede a tudo...

Para ouvir novidades A mãe se oferece,
E para ouvir nossos desabafos - A mãe assiste à TV!...
São receitas de bolo anotadas nas capas dos CDs ,
Que não podem aborrecer mais do que toalha molhada na cama...

A mãe tem o tamanho que tem e sempre é pouco,
Porque tem muito nas mãenias, muito nas mãenhas,
E as manhãs dA mãe têm cheiro de café grande,
Grande para caber tantas gotas de adoçante!...

4 comentários:

  1. http://www.youtube.com/watch?v=wBkTUzKAiXQ

    ResponderExcluir
  2. É ler esse poema e chorar de saudade d'A Mãe!! :(

    Boa semana!!

    Beijus,

    ResponderExcluir
  3. Disseste muito bem, tanto na forma quanto no conteúdo. Bjo

    ResponderExcluir
  4. é "A Mãe", é isso!

    adorado, linda.

    beijos

    ResponderExcluir

... Falta a sua pitada!...