domingo, 30 de abril de 2017

Meu coração de pedra, clichê da vida real...

Foto próxima a uma cachoeira no Paraná (meu clique)




Eu e a mania de amar inteira,
As metades sempre me cansam...
Pode-se dizer: "que asneira",
Mas versos não mais balançam...

Sorriu, sorri... Voou, voei...
Descobri que voava no penhasco,
Sozinha, depois perdoei...
Hoje, virou mais um asco...

A pedra cá dentro não bate,
Soca e martela os pensamentos...
Se às vezes canto, Ela rebate,
Prefere tijolos a fragmentos...

Tenho digerido juras de amor,
Embriagado-me com afeto...
A pedra tanto bate a dor,
Que fura o meu teto!...


20 comentários:

  1. Sempre lindas tuas poesias! beijos, lindo feriado! chica

    ResponderExcluir
  2. Oi Nadine, Adorei esse seu jeitinho lindo de poetizar e ainda no final me fez rir.
    Agora vou postar sò às segundas-feiras.
    Beijos no coração
    Lua Singular
    Quando eu colocar o outro painel, se recoloca como seguidora eu já fiz no seu blog

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Dorli!

      Obrigada!

      Beijos no coração! =)

      OBS: De qualquer forma, seu blog ainda está na minha lista dos que sigo... Assim que finalizar eu volto a segui-la publicamente...

      Excluir
  3. Só na imaginação,
    do amor ausente
    de pedra seu coração
    a ausência não sente!

    Isso não seria nada perfeito,
    neste mundo maravilhoso
    se dentro desse seu peito
    não estivesse um coração bondoso!

    Tenha uma boa tarde de domingo, cara amiga poetisa Nadine, um beijo.
    Eduardo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahaha...
      Oi, Edu!
      Obrigada, amigo!... Sempre gentil!...

      Beijos =)

      Excluir
  4. Perfeito, cara amiga Nadine, ser genuíno é ser inteiro, integral...
    Um abração. Tenhas uma linda semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Dilmar!

      Obrigada! Sim, ser uma (embora muitas em uma, haha)...

      Boa semana! Beijos =)

      Excluir
  5. Que lindo poema, Nadine! Eu amo poesia justamente por essa magia de tornar belo o que não é, o que de outro modo seria apenas dor. De todo o poema, mas mais especificamente a segunda estrofe (com a qual muito me identifico), se depreende a dor, mas a cadência dos versos e o trabalho da linguagem a driblam e, terminada a leitura, nosso coração fica consolado com a beleza.
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Jussara!
      Ah, que olhar doce sobre os meus versos!

      Muito obrigada!
      A dor tem sido doses homeopáticas de inspira-ação!...

      Beijos! =)

      Excluir
  6. Um coração de pedra? Esses só nas cachoeiras e nas margens dos rios... Quem fez este poema tem um coração que bate e reclama o amor... Gostei.
    Uma boa semana.
    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Graça!

      Haha, você é um amor!... Tem uma linda leitura!

      Boa semana!
      Beijos! =)

      Excluir
  7. A dor e o amor fazem os poetas escrever ainda com mais intensidade, tocando o coração de quem lê. Belíssimo poema.
    Beijinhos
    Maria

    ResponderExcluir
  8. Olá menina poeta linda!
    Sabe? Tens uma maneira única de poetizar
    Um coração de pérola,um jeito só teu de nos encantar. Tudo aqui flui amor.

    Beijinho more

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Fê!
      Ah, você é muito amor "aqui"!
      Obrigada!

      Beijos =)

      Excluir
  9. Uma poesia como sempre muito bonita e muito criativa a forma como mostras a sua mania de amar inteira.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Élys!

      Sim, procuro ser inteira em tudo!
      Muito obrigada!

      Beijos =)

      Excluir
  10. Há rosas que nasceram em terra seca!

    Eu gostei muito do seu poema, quando leio aqui... sempre aprendo um pouco mais. Tu é incrível!
    http://blogloveinred.blogspot.com.br ♡

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Pâmella!

      Obrigada!
      És uma querida!

      Beijos =)

      Excluir

... Falta a sua pitada!...