sábado, 14 de agosto de 2010

Protesto pelo sábado!

(Captura lindíssima por Flaviele Leite)



Ele disse que era sábado...
Não era!

Não há a senhora no sol,
Não há veículos a cinzar,
Não há espelho, batom invisível!
A espera... a espera...

O sábado só é sábado quando há...
Quando há?!
- Todos os dias...
Mas deixo aqui meu protesto:
Dividir o ar é O sábado, pré-pronto e ponto
.

4 comentários:

  1. E viva o sétimo dia!!....

    o touro de Inanna


    A vida próspera e afortunada de minha família renova-se
    E Gilgamesh tem honrado todos os compromissos assumidos
    Com meu avô que incansável ajudou Enmerkar a construir Uruk
    E minha avó, sacerdotisa de Nisuh, esposa de Enmerkar e deusa
    E ambos discípulos de Inanna, progenitores do grande Gilgamesh
    Meu Senhor, que autoriza apascentar meus bois nos pastos reais
    Me oferece o serviço dos seus escravos nas sementeiras e colheitas
    E assim nunca me falta carne nem escasseiam nas tulhas cereais
    Nem linho e lã, ânforas e potes, cestas e peles, frutos secos e mel
    Mirra e rosmaninho, açafrão e sal, peças de alabastro e terracota.

    Na última oferenda feita a Inanna, A deusa revelou-me que A Deus
    Sim, Arina, vai ajudar Gilgamesh a derrotar Kish finalmente
    E que essa vitória será derradeira e total, pródiga e promissora
    E justa, fazendo de Uruk o maior Estado, maior ainda que Ur
    Com quem desde Meskiaggasher temos diplomacia e comércio
    Mantemos paz duradoura não obstante as vis intrigas de Etana.

    Todos ansiamos por esse dia e o templo de Inanna está cheio
    Ricos pastores trazem-lhe cordeiros e bezerros pra sacrifício
    É abundante a dádiva dos agricultores nas tulhas dos cereais
    E até os ricos negociantes também não têm sido nada avaros
    Nada faltando às sacerdotisas nem às virgens aprendizas d'A deusa
    Desde perfumes, iguarias e óleos cosméticos, pedrarias e ouros
    Pratas e cerveja e leite e flores e sedas e brocados e sedutores.

    À volta do templo pululam homens e mulheres nobres e generosos
    E a minha banca de escriba teve que empregar mais dois oficiais
    Um é meu familiar, porém o segundo é de uma família vizinha
    Muito esmerado e competente, avisado e de cunhagem perfeita
    Que ainda não quebrou nenhuma tabuinha de alabastro sequer
    Tal é o seu cuidado e subtileza na grafia dos caracteres e sinais
    Aplicação dos selos e manuseamento das cunhas e estiletes.

    Será a ele que confiarei a condução do touro sacrificado a Inanna
    Quando Gilmgamesh pois é mau presságio ser levado por parente
    Da família da dádiva com raparigas a serem iniciadas entre as virgens
    Pois quem conduz o touro pode possuí-las se A deusa quiser e ordenar
    Que a coragem e a força devem ser imaculadas como o sangue doado
    Se o touro for digno dos favores de Inanna nos ritos e hinos a Arina
    E obtiver a plena realização criativa das forças divinas e naturais.

    Digo-te isto porque tenho certeza d'A Deus nos concederá de futuro
    Outros vinte e cinco séculos como concedeu nos ledos já passados
    E tu sabes que assim continuarás a ser Senhora de mim e dos bens
    Que sendo meus apenas teus são a quem A deusa imita e me rendo
    E enleio e desmaio na ondulante sofreguidão da serpente de tua alma
    Esse olho de Aldebarã sobre as Plêiades e Híades aceso e sibilino...
    E isto te digo pra que o não esqueças nem nenhuma de nossas filhas!

    ResponderExcluir
  2. Muito lindo, Nadine!
    Muito lindo!
    Imagem e palavras de uma delicadeza sem par...
    Abraço, minha querida!

    ResponderExcluir
  3. J Maria:
    A vontade para compartilhar ;)

    Zélia:
    És muito querida!
    Obrigada!
    Beijos =)

    ResponderExcluir
  4. "Dividir o ar é O sábado, pré-pronto e ponto"

    Adorei, Nadine!

    Bjs, linda.

    ResponderExcluir

... Falta a sua pitada!...