sábado, 27 de junho de 2009

Sonholenda... dormências...


Na estalagem justafluvial... peregrino audaz repousa...
Andarilho errante... cupido adormece...

Perdida... me congelo diante da janela do seu quarto... enterneço-me...
Olhar aveludado, inspeciono cada aresta... tocar, minhas mãos ousam...

Incauta... inebriei-me com sobejos do elixir das setas...

Líquido de aparência inócua... agente agressivo...


Banalidades... configuram-se afeições intensas...

Lágrimas candentes brotam... soluços, domino...


O forasteiro não encontrava abrigo... escolheu se hospedar onde eu me desencontrava...

Desconhecia a embriaguez com o bálsamo de suas flechas...


Min'alma pairava pelo infinito... meu coração era rio...
Afã de ter embarcação entre as espumas...

Recifes rasgam as águas... corro... fuga da dor...


Shakespeare: mais um sonho de uma noite de verão...

Fico com outra opção: rubra flor de perfume AMOR.

A exatidão dos olhos azuis


Esmeraldas e safiras se encontraram...
Arrebatada pelo índigo, calculei...
... disparates, fuga da praxe foram somadas...
Apeteceu-me discorrer despretensiosamente.

Pausa lógica: não pertenço ao conjunto dedutivo...
Eu... Olhos azuis... agrupamentos diferentes...
Sou parte e relação decimal: afago (dez)atinos
Anilado: pertence às horas, coerentes sucessões.

Quiçá subtrai com equívocos...
A diferença: relação fundamental da adição.
Tiremos a prova, confrontemos números naturais...
Alimentemos-nos de (i)números sentidos...

Potencializemos, encontremos fatores uniformes...
Somando expoentes, temos a mesma base magistral.
Fique com a racionalidade, com frações...
Fico com ilogismos, com implícitos...

[Cá estou... troquemos pedras preciosas...

quinta-feira, 25 de junho de 2009

Meu conto de um canto de um tempo...


Eu... ser místico... estendi as mãos para a figura lodosa...
Ambiente fétido, obscuridade áspera...
Intrépida, carreguei-o em minhas asas...
Deixei-me ser tocada... e fui perdendo as penas...
E toquei-o igualmente... mãos arenosas... tornei-me humana... e senti um suave calor em seu rosto... pontas dos dedos dormiram... esperança acordara...
Ganhei pulsares antes não sentidos...
(figura lodosa, semi límpida)
Líquens arrancados um a um... gritos de dor que cravavam minha alma de piedade...
Lisonjas... o lodo transforma-se em bálsamo...
E eu... e eu... Eu... já não era eu... nós... argila...
Perdi o brilho... afetada pelo afeto ofertado pela figura afetada...
... Contentava-me com a metamorfose...
Escuridão no céu... inundações na terra... Provações, reprovações, atuações...
O que parecia escultura maciça... por dentro ainda era terra... barro... lama...
Novo teste... as asas sempre estiveram comigo... deixei de enxergá-las quando escolhi o lodaçal...
Devolvi ao esgoto seu filho...
Deixei-me ser carregada pelo vento... Ser purificada... alma lavada... Mas ainda chorei... lágrimas de dor... lágrimas... barro...

Da gordura que cega, mas não mata...


[para M.R.M.A.]

Viva a substância graxa!
Graciosamente ausente no tecido adiposo...
... presente em gélidos olhos.
Viva o óleo!
Besunta calúnia e ego escabroso
...
óleoduto - despeja em carvalhos.
Viva a gordura!
Excessos alentados, exaltado pelo teimoso...
... placas saturadas, distribuídas como baralhos.

Viva a insolubilidade!
A não homogeneidade no vaso receoso...
... veias para alma, sem atalhos.
[Substância graxa de óleo gorduroso insolúvel no substrato do olhar...]

Breve Agrado Floral


[À Chris e todos os novos amigos que me ajudam na meditação nossa de cada dia...

Entre linhas sinuosas...
Entre veredas insólitas...

[Fina flor álacre toca meu peito


Planta ornamental...

Flor descomunal...

[Verdeja litígio e tormento


Se soubesse musicar alimentos para a terra...

Se soubesse cantar adorno para pétala...

Certamente seria fruto-canção para lhe saciar de afeto.



(obrigada!)

quinta-feira, 11 de junho de 2009

Reflexões Cinematográficas...



Precisei sangrar para mostrar que estou viva.
Precisei chorar para provar que sinto dor.
Precisei partir para sentires ira de minha ida.
Precisei poetar para naufragar no Nãoamor...

Alguns fatos parecem filmes monocromáticos...
[Cinza... branco no preto... deveras ausência.
Fatos que não escolhi viver, surgem sintéticos...
[Artificialmente me atingem, cenas de incoerência.

Eu tento sair de telas que igualmente não escolhi...
[Inconformo-me com atores despreocupados...

Que fogem de roteiros, que negam o que há de vir.
[Estou fora de roteiros estereotipados.
Jogo de sombras, marionetes, constante atuação

[Desconhecidos invadem meu set particular...
Os fatos, sentires, eis encenação
[De uma história que por vezes prefiro ocultar.
Soube que não aguentaria assistir até o fim.
[A história era seguramente dura para mim.


Inverte-se a cena... CLAQUETE...

sexta-feira, 5 de junho de 2009

Ações dessa noite...


I

Lágrimas... rijas, frias
Peito dilacerado... adaga cravada
Mágoas sem sepulcro, crateras sem meteoritos
Laguna que surge, sem mar para dialogar.
Em meu lacustre, inspeção atenta...
Poeira nos dedos...
Folhas suadas, transpiram inconscientes...
Traços inelegíveis, molhados pelo sufoco
Grito no casebre... as letras chegam...
... Noite cai...


II


A foto, amarelecida, morta... na mesa
Abraço a caneta amarga, letras desfalecidas saem
Algumas ideias, pouco amestradas... incerteza
O papel alvo... sombra contrai...


Escrevo algumas linhas, perfumadas de partida
Releio, reescrevo... odor alterado
Atafulho de sentimentos, perfume de vida
Rosas ásperas, jardineiro equivocado.


Ato de reproduzir o que sinto... verso
Ato inviável, sim, confesso
Bosquejar o que está debilitado
A aurora canta... paro... papel asseado.


Prece ao Nãoamor II


Compadeça-se... Cegue-me...
... Coloque um véu em meu âmago...
... porque o sentimento êmulo insiste em afagar minha essência...

Acostumo-me com a imagem do nada...
...vazio, incompletude... com o choro afônico...
... e tão... tão toante... tão dentro, tão eu...

Traga-me o rum da neblina...
... Permita-me que eu ainda assobie a velha cantiga...
... mas que velhos sentires sirvam-me de adubo...

Desconsidere toda a prece se eu chorar estridente...
... Se eu anseiar compartilhar, sofrer, sorrir...
... entregar minha vida em mãos alheias... querer o pouco...
... o nada ser preenchido por muitos poucos...
... suficientes para que cada dia seja festa...




GR

IMÃS

Ao Pardal


Cultiva rosas formosas... sem espinhos...
Canta suave... oferta-me o coração...
Derruba pedras... no bico, carinhos...
Escuta, conforta... sua alma é canção...



Gêiser de morna água...
Intrínseco... há fonte de calor...
Jatos d'água... carregam mágoa...
Expele lisura, ludibria se é dor.



Não sei escrever com tanto brilho, Pardal.
Não sei descortinar meu sentir com facilidade
Não sei o caminho até Pasárgada, Pardal.
Mas deixo-me ser guiada por sua vivacidade.